11:51h • 17 de Junho de 2019
Alterar Senha
Esqueci minha Senha

Notícias

APMP realizou Café com Letras sobre a obra "As Marcas do Cárcere"

Evento contou com a participação dos autores do livro, Alysson Artuso e Leandro Ayres

28/06/2016

A obra literária “As Marcas do Cárcere” foi o tema da 18ª edição do Café com Letras, realizado na noite do dia 13 de junho, e contou com a participação especial dos autores do livro, Alysson Ramos Artuso e Leandro Ayres França.

O evento aconteceu no salão nobre da APMP, em Curitiba, e teve início com o tradicional café de confraternização. Logo em seguida, os Diretores de Eventos Culturais, Luiz Eduardo Canto Azevedo Bueno e Régis Rogério Vicente Sartori, deram abertura a mais uma edição do Café com Letras, saudando convidados e presentes. Antes de passar a palavra para os palestrantes da noite, o associado Jacson Luiz Zilio introduziu o assunto da noite e parabenizou os autores pela obra.

Leandro e Allysson iniciaram a palestra apresentando o panorama geral do livro, recentemente publicado pela IEA Editora, que busca mostrar a realidade do sistema prisional e suas marcas.  Os autores também falaram sobre as dificuldades encontradas na execução do projeto, principalmente em relação à autorização para entrar nos presídios.

Durante meses, os escritores visitaram estabelecimentos prisionais do Rio Grande do Sul, nos quais fizeram entrevistas e fotografias com centenas de apenados. Segundo eles, muito além da intenção inicial de estudar as marcas (tatuagens, traumas, cicatrizes e doenças) nos corpos dos internos, foi feito um registro textual e fotográfico de histórias, experiências, rotinas e relações do ambiente carcerário e de seus personagens, o que resultou na obra “As marcas do cárcere”.

Os autores ainda apresentaram dados importantes que encontraram durante a pesquisa e compartilharam as conclusões a que chegaram. O tema prendeu a atenção dos presentes, que receberam exemplares do livro gratuitamente e puderam fazer perguntas ao final da palestra. Após, os autores abriram espaço para autógrafos.

Leandro comentou sobre a experiência de apresentar sua obra no Café com Letras, promovido pela APMP. “Descobri um espaço privilegiado para apresentarmos esse tipo de discussão, pelo fato de ser aberto tanto para os associados, membros do Ministério Público, quanto para a comunidade em geral, que tem interesse em temas relativos à violência e ao direito”, conta.

O autor ainda ressaltou que achou muito boa a ideia da Associação promover um evento assim, pois além de trazer a palestra, também conta com um café de confraternização, o que, segundo ele, facilita o intercâmbio de ideias e gera um sentimento de hospitalidade para quem vem de fora. Ao final, Leandro ainda aproveitou para elogiar os quitutes servidos, preparados por nossa funcionária, Diva. “Foi um evento muito bacana e a comida estava maravilhosa!”, finalizou.

Em entrevista, o Diretor de Eventos Culturais, Régis Rogério Vicente Sartori, destacou a importância da palestra. “Considero este um evento muito importante, pois apresentou um trabalho altamente focado na realidade do sistema prisional, que contou com a participação de associados, professores universitários e seus alunos, bem como de pesquisadores na área do direito penal”, disse.

Confira aqui as fotos

 

Caio Prado Júnior foi o tema da 17ª edição do Café com Letras

A 17º edição do evento abordou a obra literária “Caio Prado Júnior: uma biografia política” com o convidado especial e autor do livro, Luiz Bernardo Pericás. O café reuniu associados, alunos e professores.

O palestrante iniciou contando a trajetória dos 06 anos de preparação para a escrita do livro. As mais de 500 páginas foram resultado de um intenso trabalho, com muita pesquisa em institutos, universidades e periódicos. Ressaltou que por ser da família de Prado, conseguiu muito material exclusivo, como arquivos e cartas. Prado Júnior era tio avó do palestrante.

Pericás dividiu com os participantes curiosidades de várias etapas da vida de Caio Prado, desde os intensos anos de luta política até chegar aos anos em que deixa a militância política e é acometido com a doença de Alzheimer. Segundo o autor, o político era revolucionário e foi o maior historiador brasileiro do século XX.

Confira aqui as fotos do evento.