APMP encerra campanha para população de rua

Associação trabalha com ações estruturantes colaborando para a mudança da realidade social 
21 de March de 2022 > Gerais, Solidariedade

A APMP encerrou a campanha de arrecadação de alimentos para o Movimento Nacional da População de Rua (MNPR), na quinta-feira (17), com a entrega de 2,8 mil embalagens de marmitas de isopor. A campanha iniciou em dezembro e a entrega foi realizada em três etapas, nas duas primeiras foram arrecadados o equivalente a 1,5 tonelada de alimentos. A contribuição dos associados foi encaminhada à cozinha comunitária da MNPR, no bairro Rebouças, em Curitiba. 

Tanto os alimentos quanto os recipientes estão sendo utlizados para a produção diária de 300 marmitas que são distribuídas nas praças Tiradentes e Rui Barbosa, em Curitiba.   A população em situação de rua ou que se beneficia da distribuição de refeições pelas instituições sociais, segundo o coordenador do MNPR, Leonildo José Monteiro Filho, tem aumentado em função do desemprego, assim como pela presença de indígenas que por causa da pandemia tiveram a casa de passagem fechada. "Está crescendo também o número de aposentados. São pessoas que estão passando por crises financeiras e dependem da distribuição de alimentos para sobreviver". 

A campanha da APMP começou com a proposta de contribuir para a realização do almoço de Natal para 500 pessoas em situação de rua, porém a adesão dos associados permitiu que fosse arrecadado o valor R$ 8.130,00, que possibilitou a compra de alimentos nos meses de dezembro e janeiro e as embalagens em março. 

Políticas Públicas 

O MNPR é um movimento social organizado por pessoas em situação de rua ou com trajetória de rua que luta pela garantia dos direitos humanos desta população. A instituição vive de contribuições para manter a distribuição da alimentação. A instituição também luta por políticas públicas efetivas que permitam a transformação social da realidade dessas pessoas.  

Neste sentido, a APMP realizou no dia 7 de março, o evento Direito para todos - mulheres em situação de rua, o evento resultou num documento que está sendo produzido com três eixos de ação para se atacar o problema de forma estrutural: Censo Demográfico; Criação de um Grupo de Trabalho (GT) e Programa Moradia Primeiro. O documento será encaminhado aos órgãos municipais que atuam na área como contribuição na gestão de políticas públicas. 

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.